sábado, 23 de junho de 2012

Modelo Padrão - Parte 1

Demorei, mas aqui estou! 

Vamos agora começar a sequência de posts que eu havia dito anteriormente, para entendermos o que seria o Modelo Padrão. 

Mas para isso, vamos ter que voltar um pouco no tempo, para entender o que nos leva à criação de um modelo. Estão preparados? 

Vamos voltar à antiguidade. Desde os tempos mais remotos as pessoas sempre tiveram alguns questionamentos que gostariam de resolver como: 

 Do que a matéria é feita? Do que nós somos feitos?

 Como se formam as estruturas que são observadas no Universo?

Como um exemplo de tentativa de explicação, estão os 4 elementos que os gregos antigos acreditavam que seriam os elementos fundamentais e que a partir deles e de suas combinações é que tudo se constituía. Estes elementos eram a Terra, o Fogo, a Água e o Ar. Outros povos também tinham teorias semelhantes.

A ideia é basicamente correta, mas são os detalhes desta teoria que estão errados. A água pura, por exemplo,  é formada de dois hidrogênios e um oxigênio. O Ar é principalmente formado de nitrogênio e oxigênio, com traços de carbono e argônio e assim por diante. (1)

Porém naquela época, eles não tinham como saber estes pormenores, e tentaram explicar as coisas ao seu redor com o que eles conheciam.

Vamos agora saltar bastante no tempo e ir para 1808. Neste ano, John Dalton propôs um novo modelo para descrever a matéria, dizendo que ela era formada por partículas menores e indivisíveis, que ele chamou de átomo. Esta idéia já tinha sido defendida por alguns gregos, chamados de atomistas. A palavra átomo em grego significa sem divisão, indivisível. Podemos pensar em uma bola de bilhar, maciça, por exemplo, é claro com proporções bem menores como analogia. (2, 3)

Andando um pouco mais no tempo, em 1897, Joseph John Thomson descobriu uma partícula menor que o átomo, o elétron, realizando experiências com tubos de raios catódicos (sabem as televisões antigas? Elas são um exemplo de tubos de raios catódicos, que fazem os elétrons serem acelerados contra a tela da TV). Thomson percebeu que estes raios catódicos eram defletidos sob a ação de campos elétricos e magnéticos e deduziu que isso era devido ao desvio da trajetória de partículas pequenas e negativas. (2,3) Com isso ela propôs um modelo para átomo, não mais indivisível, chamado pudim de passas, no qual uma esfera carregada positivamente teria cargas negativas incrustradas, como passas dentro de um pudim, como vemos na figura abaixo:
Fig. 1: Modelo do Pudim de Passas de Thomson (2)

E aí? Será que poderíamos parar por aqui? Com estes modelos conseguiríamos explicar todas as estruturas do Universo? Acompanhem os próximos capítulos!!! Participem com comentários!!

Referências:
(1) Close, F. Particle Physics: A Very Short Introduction. New York: Oxford, 2004.
(2)Wikipedia em português: http://pt.wikipedia.org/wiki/Átomo
(3) Wikipedia em inglês: http://en.wikipedia.org/wiki/Atom




17 comentários:

  1. Oi querida! Continue com as postagens, elas serão muito úteis para eu me relembrar desses conceitos! :) Bjs

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pelo carinho Carina!!
    Acompanhe sempre o blog! Beijão

    ResponderExcluir
  3. Professora , o que seria raios catódicos ??

    ResponderExcluir
  4. Olá Beatriz!
    Os raios catódicos não mais são do que elétrons acelerados. Nas televisões antigas, aquelas de "tubo", eram um tubo de raios catódicos, que seria um acelerador linear de elétrons. Os elétrons eram acelerados e se chocavam contra a tela da TV, produzindo as imagens. Veja se deu para entender melhor. Qualquer coisa, pergunte mais! Bons estudos!

    ResponderExcluir
  5. Lembro que quando estava no Anglo minha professora deu uma aula de slides explicando exatamente esses modelos, facilitando o nosso entendimento. Procurei um vídeo que usei para estudar para a prova daquele ano, porém não achei...mas acabei encontrando esse resumão.....http://www.youtube.com/watch?v=R0CAVLSlE-A

    ResponderExcluir
  6. Olá Andressa!
    Obrigada por compartilhar o vídeo com a gente!
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Prof é eu a Victoria Marques do 3 C prof eu invés de mandar o resumo do modelo padrão parte 1 posso mandar pelo seu blog

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde prof, prof o que quer dizer modelo de pudim de passas

    ResponderExcluir
  9. "Pudim de Passas" que nome estranho para um modelo.

    ResponderExcluir
  10. Muito boa a postagem! Explicada de uma forma de facil entendimento (principalmente para os leigos no assunto como eu, rs)

    ResponderExcluir
  11. Oi prof eu sou a Maria Eduarda do 3ºA se parece mesmo com um pudim de passas??? E pq com um pudim de passas???

    ResponderExcluir
  12. Ele deduziu que era por causa da trajetória de partículas pequenas e negativas. Mas isso foi provado? E pq no desenho do pudim de passas são várias pequenas negativas mais a maior é positiva? Esse no caso era o átomo ou o elétron?

    ResponderExcluir
  13. o pudim de passas simplificou muito a explicação

    ResponderExcluir